“Tijuca” é um nome com origem na língua tupi e significa “água podre”, de ty (“água”) e îuk (“podre”) . O nome, porém, se refere principalmente à região da Lagoa da Tijuca, que possui muito mangue e água parada e que está separada do atual bairro da Tijuca pelo Maciço da Tijuca. O bairro atual da Tijuca ficava no caminho para a Lagoa da Tijuca, razão pela qual acabou por adquirir o nome dessa lagoa.

História

Brasão do bairro da Tijuca

Logo após a vitória dos portugueses sobre os franceses no episódio da França Antártica, em 1565, a região do atual bairro da Tijuca foi ocupada pelos padres jesuítas, que, nela, instalaram imensas fazendas dedicadas ao cultivo da cana-de-açúcar. Nessa época, foi construída uma capela dedicada a São Francisco Xavier que deu o nome à fazenda dos jesuítas mais próxima do Centro da cidade: a Fazenda de São Francisco Xavier. Em 1759, com a expulsão dos jesuítas do Brasil pelo Marquês de Pombal, as suas fazendas foram vendidas a centenas de novos sitiantes.

Igreja de São Francisco Xavier do Engenho Velho, marco histórico do bairro da Tijuca

A região passou a caracterizar-se pelas suas chácaras e, a partir do século XX, passou a ser um bairro tipicamente urbano. Ainda assim, possui a terceira maior floresta urbana do mundo, a Floresta da Tijuca, plantada por determinação de dom Pedro II na segunda metade do século XIX pelo major Archer em terras de café desapropriadas, para combater a falta de água que se instalara na então capital do império. Trata-se de uma floresta secundária, uma vez que é fruto de um replantio, compreendendo espécies que não são nativas da mata atlântica, a cobertura vegetal original.
Data de 1859 até 1866 o funcionamento pioneiro da primeira linha de transporte em veículos sobre trilhos no Rio de Janeiro, com tração animal, anterior ao bonde elétrico, ligando o Largo do Rocio (a atual Praça Tiradentes) ao Alto da Boa Vista.
Em 23 de agosto de 1985, o decreto 5.280 definiu os atuais limites do bairro.

Estrutura

A Tijuca tem área de 1.006,56 hectares, com 56.980 domicílios (censo de 2000) e integra a VIII Região Administrativa do Rio de Janeiro, junto com os bairros da Praça da Bandeira e Alto da Boa Vista. É a sede da Subprefeitura da Grande Tijuca que, além dos bairros da VIII RA, abrange os do Maracanã, Grajaú, Vila Isabel e Andaraí.
O bairro abriga educandários tradicionais da cidade, como o colégio Pedro II, que teve instalada a sua primeira unidade de externato na Tijuca em 1858; o Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro, fundado em 1880 como a então Escola Normal do Município da Corte, formando educadoras – as “normalistas”; o Colégio Militar do Rio de Janeiro – a Casa de Tomás Coelho, formando gerações de cidadãos e líderes desde 1889; o Colégio Marista São José, fundado em 1902 pelos irmãos Maristas; o Colégio Batista Shepard, fruto do idealismo de três pessoas: Dr. A. B. Deter, Sr. W. C. Canadá e Dr. John J. Watson Shepard, este que o dirigiu inicialmente, entre outros colégios e universidades.
Há também clubes sociais e desportivos tradicionais, como o America Football Club, que é o principal clube do bairro. Foi fundado em 18 de setembro de 1904. Conquistou sete Campeonatos Estaduais (Em 1913, 1916, 1922, 1928, 1931, 1935 e 1960) além de uma Taça Guanabara em 1974, a primeira edição da Taça Rio em 1982 e a mais importante conquista de sua história, a Taça dos Campeões, também em 1982. Além do America, o bairro possui ainda o Tijuca Tênis Clube, o Country Clube da Tijuca, o Montanha Clube, Clube Monte Sinai, Clube Municipal, a Associação Atlética Tijuca e uma gama de clubes portugueses.
Há importantes construções históricas como a igreja de São Francisco Xavier, a igreja de São Sebastião dos Capuchinhos, as igrejas de Santo Afonso, Santa Teresinha e a dos Sagrados Corações, o palácio dos Bianca, uma vivenda majestosa construída na década de 1920pela família espanhola Bianca, recentemente tombada pelo patrimônio histórico e convertida no centro de referência da Música Carioca da Prefeitura do Rio, a Casa Granado, um tradicional estabelecimento de comércio farmacêutico fundado em 1870 e que funciona até hoje, entre outros.
Avenidas
  • Heitor Beltrão: recebe o fluxo de trânsito da rua Doutor Satamini até a Praça Saens Peña, embora tenha seu início no cruzamento com a rua Professor Gabizo.
  • Maracanã: interliga a Praça da Bandeira à Usina, sendo uma grande via de ligação da Tijuca ao Centro. Nela está localizado oEstádio Mário Filho, a Praça Xavier de Brito e a Praça Varnhagem.
Ruas
  • Almirante Cochrane: continuação da rua Mariz e Barros, tendo seu fim na rua Major Ávila esquina com Rua Pareto, próximo à Praça Saens Peña. Em seu início, forma esquina com a Rua São Francisco Xavier.
  • Barão de Mesquita: longa rua, que se inicia na Tijuca e termina no Grajaú. A rua, em sua extensão, tem sua mão invertida diversas vezes.
  • Conde do Bonfim: principal artéria tijucana, que interliga o bairro ao Alto da Boa Vista e à Barra. Na altura do número 369, localiza-se a Praça Saens Peña.
  • Doutor Satamini: rua de entrada para a Tijuca, vindo do Centro Histórico ou da Zona Sul. No quarteirão desta com as ruas Campos Sales, Martins Pena e Afonso Pena está a praça e a estação de metrô Afonso Pena. É paralela à Rua Haddock Lobo.
  • Haddock Lobo: continuação da Rua Conde de Bonfim, a partir do Largo da Segunda-Feira, ligando a Tijuca ao Centro e à Zona Sul, através do Túnel Rebouças.
  • Mariz e Barros: tem seu início na Praça da Bandeira e se estende até a Rua São Francisco Xavier. Nela se localiza o famoso Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro e o tradicional Hospital Universitário Gaffrée e Guinle da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, com arquitetura e decoração em estilo neocolonial.
  • São Francisco Xavier: interliga a Rua 24 de Maio, no subúrbio, ao Largo da Segunda-Feira, no encontro da Rua Conde de Bonfim eRua Haddock Lobo. Passa pelos bairros de São Francisco Xavier, Mangueira e Maracanã até chegar à Tijuca. Nesta rua localiza-se aUERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro, o Colégio Militar, a Igreja de São Francisco Xavier do Engenho Velho e o Colégio Pedro II – Unidade Tijuca II.
  • Uruguai: principal via de acesso de bairros como Grajaú e Andaraí à Tijuca. Tem seu início no Andaraí.
  • Rua José Higino:Principal via de acesso á Rua Barão de Mesquita,aos bairros do Andaraí e da Alto da Boa Vista (Rio de Janeiro),tem o seu cruzamento com á Rua Conde de Bonfim e com á Avenida Maracanã,possui grandes residencias luxuosas e um bom fluxo de comércios
Praças
  • Afonso Pena: Presidente do Brasil (1906-1907), a praça possui uma estação de metrô e se localiza próximo ao Rio Comprido.
  • Comandante Xavier de Brito: também conhecida como Praça dos Cavalinhos pela tradicional atração que imprime ao local o encanto bucólico das cidades do interior.
  • Marino Gomes Ferreira – Governador (1968-1969) do Rotary International.
  • Saens Peña
  • São Fancisco Xavier: Fica defronte a uma igreja homônima.
  • Varnhagen: Em uma área mais residencial a praça possui vários restaurantes, sendo o polo gastronômico do bairro.
  • Hans Klussmann: localiza-se no alto da Rua Sabóia Lima, onde há um riacho que desemboca no Rio Trapicheiros passando nos fundos do Colégio Batista. É mais conhecida por ser a praça com bichinhos de argamassa, moldados em arte naïf por um vizinho endinheirado, o professor Paulo de Tarso.
  • Gabriel Soares: fica no encontro das ruas Desembargador Isidro, Bom Pastor e José Higino. Além de ser o ponto final da linha 409 (Saens Peña-Horto), é um dos recantos mais bucólicos do bairro da Tijuca.
  • Hilda: localiza-se na confluência das ruas Deputado Soares Filho, Pareto e Santa Sofia. Na verdade, é um largo loteado de edifícios dos anos 1950/60.
  • Luis de la Saigne: praça que margeia a Avenida Maracanã em frente ao Shopping Tijuca.